Psicólogo Roque Cerqueira – CRP – 06/35101-0

Estas cartas são recursos terapêuticos sugeridos aos clientes para elaboração de seus conteúdos emocionais.

Nota: Os nomes das pessoas e dos lugares foram alterados para preservar o sigilo do cliente. O texto foi publicado com plena autorização do cliente.

Esta técnica de se escrever a alguém é sugerida para que o cliente possa expressar os seus sentimentos e emoções e elaborá-los.

Em primeiro lugar, sugere-se ao cliente que escreva uma carta ao pai (mãe, esposo/a, filho/a, amigo/a), dizendo tudo o que sente a respeito dessa pessoa, desde mágoas, raiva, alegrias, dificuldades, tudo que for necessário ser dito. Depois o cliente, se colocando no lugar do destinatário,  deverá escrever uma carta-resposta aonde  vai escrever tudo de positivo que ele gostaria de ouvir desta pessoa em relação a si mesmo.

CARTA AO PAI (escrito pelo cliente ao pai)

Querido, Pai.

Quanto tempo que não nos comunicamos por palavras, somente por sentimentos.

Hoje eu tenho 25 anos, 19 anos se passaram desde a última vez que nos vimos. Você fez sua viagem à João Pessoa e foi morar com Deus quando eu tinha 8 anos, 17 anos atrás. Eu soube da notícia que você tinha morrido em casa. Em me lembro de sentir muita dor e revolta. Eu havia perdido minha referência.

Fiquei muito triste, fiquei calado, revoltado com todos, principalmente com você, que havia partido para um plano que eu não poderia ir naquela época e que ainda não posso ir agora.

Eu tive que crescer bastante. Meu corpo era de uma criança, mas eu resolvi assumir a casa desde então. Lembro-me de quando te vi no banheiro da nossa casa bêbado e que a tia Laura fechou a porta para eu não lhe ver. Eu sentia muito amor por você e não gostei de lhe ver assim. Aquilo me marcou profundamente.

Voltando no tempo, lembro-me de quando me buscava na escola e fazia-me pular as divisões das calçadas. Essa era nossa brincadeira e eu tentava sempre ganhar. Lembro-me quando me levava para comer na padaria e para jogar sinuca com as pessoas. Eu não entendia nada, mas a sua presença era a melhor coisa que eu poderia ter.

Desde que foi embora, eu sinto um grande vazio no peito e grande saudade de você. Eu nunca gostei de reunião dos pais no colégio, de dia dos pais, de nada que envolvesse a sua presença, pois eu não poderia ter você ao meu lado. Queria que estivesse comigo em muitos momentos da minha vida.

O tio Nando disse que me ama muito e que sou muito parecido com você. Herdei de você a simpatia para fazer amizades e ser uma pessoa aberta. Eu ouvi uma estória que você fugiu de casa de João Pessoa e foi para o São Paulo. Eu fiz o mesmo, pai! Eu fugi de Florianópolis e fui morar em Bristol, na Inglaterra. Foi a maior aventura da minha vida então.

Sabe o óculos Ray Ban que você usava? Eu comprei um óculos Ray Ban também. O modelo da caixa é o mesmo, então senti que podia ter algum objeto seu. Eu me sinto muito bem quando uso o óculos. Lembro-me que você também usava chapéu. Eu adoro usar chapéus. Tenho um modelo Panamá.

Ser seu filho foi um dos maiores presentes que tive na vida. Tento lembrar todos os momentos que vivi ao seu lado e guardo-os com muito carinho no coração. A revolta de tê-lo perdido passou. Hoje conto com um grande suporte, faço terapia, frequento uma mesa branca espírita e consigo aceitar melhor a vida que tenho e as perdas e ganhos.

Eu serei um ótimo pai, assim como foi comigo. Sei que me amava muito. Sei que disse nossos nomes antes de morrer. Eu tinha 10 anos quando fui à João Pessoa, dois anos após sua morte. Eu fui ao cemitério ver onde foi enterrado. Ouvi estórias de você por lá. Fiquei mais perto de você, com toda certeza. Eu não sei se aprendi a ser homem com você, mas tive que assumir a família muito cedo e não tomei atitudes desde então. Lembro-me de que meus irmãos e minha avó foram visitar o pai da minha mãe. Eu não fui porque ele abandonou minha mãe na infância, então, eu não quis vê-lo. Eu também estava muito emocionado de estar em Amparo e queria tentar descobrir a cidade sozinho e chorar em um canto, por isso, não avisei a família que iria ao centro da cidade. Muitos vieram atrás de mim.

Eu admiro muito você, o espírito de aventura, a felicidade de viver. Tento viver da mesma forma. Já morei em dois países, e vou mais uma vez para a Europa. É muito bom viajar e saber que você pode cruzar o mundo, de que não há nenhuma fronteira que lhe impeça de viver nos lugares que você deseja.

Minha missão aqui na terra é escrever. Quero tocar o coração das pessoas com histórias verdadeiras e muito bem escritas. Tenho toda certeza de que isso acontecerá. A literatura é o ofício que me faz ter alegria e que me conforta em relação ao futuro. Vejo-me dando entrevistas em inglês e francês. Vejo-me educando pessoas pobres, crescendo muito com isso. Acredita que já me vi ganhando um prêmio e dedicando-o a você? Você será homenageado em minhas obras, terá um papel de destaque, personagens inspirados no seu caráter.

Quero ganhar o mundo, morar por muito tempo na Europa, casar-me com uma estrangeira, educar meus filhos em três línguas. Tenho certeza de que isso acontecerá. Serei um pai tão amoroso como foi comigo. Lembra-se da latinha de moedas que você criou para cada um? Até hoje eu junto dinheiro, planejo minhas finanças para ter um futuro seguro.

Você tinha muito amor pelos pobres. Eu confesso que aprendi a ter isso recentemente. Eles serão meu maior investimento. É para eles que vou dedicar meus talentos. Os nobres pagarão os direitos das minhas obras e os pobres receberão minha ajuda. Não quero nenhum título e reconhecimento por isso. Tenho ser uma pessoa melhor a cada dia.

Terei um instituto que vai oferecer educação para crianças, adolescentes e adultos. Ainda não sei aonde isso acontecerá, mas tenho certeza da realização.

Estou muito bem, Pai. Tenho certeza que acompanha meu progresso e que me manda luz de onde estiver.

Nossa história não termina. Ela sempre perdurará. Serei pai, avô e deixarei nossas marcas aqui na Terra.

Eu te amo muito. Nunca me esquecerei de você. Fique bem, pois todos nós estamos bem. Até breve. Um abraço de urso, pai!

Carlos S. C.

 

CARTA AO FILHO (carta escrita pelo cliente como se fosse seu pai)

Querido filho.

Muito bom ler sua carta. Fiquei muito emocionado com esse presente que me deu. Saber que me perdoou pelos erros que cometi que me ama foi muito especial. Guardarei essa carta comigo para sempre.

Viver com o álcool foi muito difícil para mim. A bala alojada na minha cabeça me fazia ficar muito nervoso e ter ataques de raiva. Eu nunca desejei conviver com isso. Defender seu avô de da morte me custou à paz.

Eu não imaginei que minha vida tomasse caminhos tortuosos e de tanta tristeza. O álcool dominou minhas escolhas e momentos que eu poderia ter passado com você. O vício tirou o que mais precioso criei nessa vida: minha família.

Precisei de muitos anos para recuperar-me no umbral. Convivi com pessoas que estavam no mesmo estado energético que eu. Todos ali tinham a semelhança de terem perdido suas vidas, de terem sido atraídos por seus vícios. Eu ainda bebi por muito tempo depois que fui embora. Não aceitava a ideia de ter ido para aquele lugar e ter perdido a chance de curar-me e vê-los.

Recebi uma ajuda divina. Fui socorrido por médicos e irmãos de luz que fizeram o meu resgate e de outros irmãos que clamaram por salvação.

Hoje vivo em uma esfera de luz, trabalho, tenho responsabilidades e sou muito feliz. Visto-me da mesma forma que me vestia na terra. A esperança de reencontra-lo me faz viver cada dia melhor, buscando constantemente a evolução.

Eu lhe acompanhei na Inglaterra e na França ao lado de sua avó. Recebemos a autorização de cuidarmos de você enquanto estivesse longe de sua família. Você me dá muito orgulho. Você conquistou muitas coisas que sonhava realizar. Parabéns por ser tão forte e por ter crescido de forma tão precoce para superar minha falta e as dificuldades financeiras. Quantas alegrias você me deu por escolher uma vida próspera e de evolução.

Eu estive com você no treinamento que fiz. Eu sei que você sentiu minha presença durante aquele final de semana. Sei que escutou minha voz naquele exercício que sentava-se no chão. Eu me sentei ao seu lado.

Eu te amo, filho. Se pudesse, eu faria tudo diferente. Você agora está crescido e compreende o quanto é fácil perder-se e cometer erros. Eu fiquei muito preocupado quando usou drogas no tempo da faculdade. Eu não queria que você fosse tomado por nenhum vício. Eu sei que recuperou-se e não usou mais drogas e preferiu não beber. Não sabes o quanto me alegra que conseguiu superar todas as barreiras que tinha que passar de forma vitoriosa. O caminho está feito, está muito mais fácil de ser percorrido. Você já investiu bastante na construção. Ande filho, vá morar aonde deseja.

Eu estarei com você em muitos momentos, tenha certeza. Estarei no seu casamento, no dia em que receber seu título de mestre, no dia em que comprar sua casa, no nascimento de seus filhos. Estarei sempre com você.

Como fico feliz em saber que aceitou a vida e as dificuldades. Vejo muita luz no seu coração e muita coragem para realizar o que se comprometeu com Deus antes de reencarnar.

Leve o meu abraço fraterno. Eu estou tocando seu coração nesse momento. Lhe ajudarei sempre que o plano me der autorização para estar ao seu lado. Mesmo assim, lhe carrego em meu coração e em minhas preces.

Te amo, meu filho. Escreva cartas sempre que quiser. Eu irei lhe escrever também. Receberá os sinais de minha presença, você sentirá.

Com muito amor,

Severino C.